SAPO Campus Wiki UA

Ficha de Leitura

O conteúdo publicado na Wiki do SAPO Campus de Aveiro deve ser considerado como estando em desenvolvimento. O seu conteúdo não foi validado cientificamente pela Universidade de Aveiro.

De WikiCampus

Tabela de conteúdo

Fichas de Leitura (técnica) versus Ficha de leitura (instrumento)

A técnica de Fichas de leitura pode ser abordada como técnica por envolver um conjunto de procedimentos para se recolher dados das bibliografias consultadas pelo investigador. Esta técnica apresenta-se relevante no momento da revisão de literatura que fundamenta toda a investigação. É uma etapa em que o investigador se depara com diversas literaturas e, através de uma leitura crítica das mesmas, precisa analisar, sintetizar, interpretar e organizar as informações presentes nas bibliografias.

Para uma análise crítica da literatura a ser consultada, Gray (2004: 53) recomenda que sejam colocadas questões como:

• Qual é o propósito do presente estudo?

• Qual é o foco principal?

• Quais tipos de dados foram recolhidos?

• Como os dados foram tratados?

• Qual abordagem analítica foi utilizada?

• Como a validade é dirigida no estudo?

• Como as questões éticas são abordadas?

Segundo o referido autor, este exercício do investigador em analisar e avaliar a literatura promove o desenvolvimento de competências através da sua prática, tais como a capacidade de análise, de síntese, de compreensão e de construção de conhecimento.

O principal objectivo desta técnica é o de passar de uma colecção caótica de ideias não relacionadas para uma integrada organização das mesmas. Analisar, sintetizar, organizar e registar são procedimentos necessários para tal (Halasz et al., 1986).

Ficha de Leitura como Instrumento

As informações recolhidas precisam ser registadas e organizadas para posterior utilização. A ficha de leitura como instrumento é o documento onde o investigador regista o resultado de um trabalho de tratamento, análise e síntese da informação (Carmo & Ferreira, 1998). Ou seja, a ficha de leitura em si (documento) não é mais do que um instrumento de trabalho que o investigador utiliza para registar a sua revisão de literatura. Existem modelos de ficha de leitura, mas este instrumento é passível de ser personalizado pelo próprio investigador.

Como fazer uma Ficha de Leitura?

A ficha de leitura integra dados sobre a identificação do documento bibliográfico e o resultado da análise realizada. Segundo Carmo & Ferreira (1998), neste instrumento é frequente constar o resumo do que se leu, citações consideradas relevantes e apontamentos sobre a reflexão que o investigador pode fazer sobre a leitura.

Quando o volume de informação registada é grande, torna-se relevante a utilização de um sistema de classificação desta informação. A classificação decimal universal (CDU) aparece como um sistema que usa as palavras chave para descrever sinteticamente um dado documento (Carmos & Ferreira, 1998).

Fleming salienta alguns tópicos que se devem ter em atenção ao construir uma ficha de leitura que contenha toda a informação necessária.

1. Começar por estabelecer um modelo de ficha de leitura. Pode-se seguir modelos pré-existentes ou construir um mais personalizado, mas tendo em atenção os conteúdos essenciais e as formas de organização.

2. Reunir informação necessária e potencial para a sua investigação. É importante elaborar um corpo de informações que tenham potencial para colaborar com a investigação.

3. Registar regularmente. Quando fazer uma leitura que seja relevante para a investigação, retirar apontamentos. Certificar-se de colocar o número da página e de diferenciar entre uma citação do autor e uma interpretação pessoal para evitar plágios acidentais.

4. Incluir toda a informação sobre a referência bibliográfica. Nome do autor, ano de publicação, título, referência da publicação (nome da revista, ano, volume, número, editor, local).

5. Sintetizar os registos. Com a leitura do corpo de informações que se possui, é provável encontrar informações repetidas.

6. Evitar utilizar abreviações e códigos. Após um tempo poder-se-á perder a compreensão das abreviações e/ou codificações.

Com base nas considerações dos autores, a estrutura básica de uma ficha de leitura pode apresentar a seguinte estruturação:

1. Dados da publicação

Autor(es)

Título

Ano de Publicação

Tipo de Publicação (livro, artigo em periódico, acta de congresso, etc.)

Localização (URL)

Palavras ou conceitos chave

2. Ficha de Leitura

Objecto do estudo

Finalidades do estudo

Metodologia da investigação

Resumo

Justificação da selecção do artigo

Reflexões

Sites de Interesse

APA - American Psycological Association

Universidade de Aveiro - Referências Bibliográficas: normas e estilos

bibliografia

Gray, D. (2004). Doing Research in the Real World. London: SAGE Publications.

Halasz, G.; Moran, T.; Trigg, R. (1986). Notecards in a nutshell. ACM SIGCHI Bull etin, 17 (SI): 45-52.

Ver Técnicas e Instrumentos de Recolha de Dados na Investigação em Educação