SAPO Campus Wiki UA

Utilizador:Franclinbastos

O conteúdo publicado na Wiki do SAPO Campus de Aveiro deve ser considerado como estando em desenvolvimento. O seu conteúdo não foi validado cientificamente pela Universidade de Aveiro.

De WikiCampus

Tabela de conteúdo

Ambientes de Aprendizagem

Esta wiki foi desenvolvida no âmbito da Unidade de Crédito, Tecnologias da Comunicação em Educação do Programa Doutoral em Multimédia em Educação da Universidade de Aveiro, como trabalho de grupo subordinado ao tema Ambientes de Aprendizagem no Ensino superior.

Neste trabalho realiza-se uma abordagem aos Ambientes de Aprendizagem. Serão desenvolvidas duas perspectivas, sendo que a primeira será a ideia de aplicações de software através de um Sistema de Gestão de Aprendizagem que, normalmente são usados em instituições educativas que servem um grande número de alunos e professores. Apresentando - se, posteriormente, as suas funções, os tipos e características principais, algumas vantagens e desvantagem, e alguns casos de sucesso do uso de um SGA no Ensino superior. E a perspectiva que aborda a ideia de que cada indivíduo tem o seu Ambiente de Aprendizagem Individualizado, adaptado ás suas próprias necessidades mas que lhe permite estar em contacto com outros aprendestes tanto dentro como fora das instituições. Por fim, serão feitas discussão crítica e conclusão sobre o tema.

Contextualização

As alterações ocorridas ao nível das tecnologias e as tendências relacionadas com a forma como as pessoas estão a usar a word wide web conduzem e exigem, simultaneamente, a reflexão sobre a Web 2.0, um termo apelidado às novas versões de software. Um conceito chave da web 2.0 é a ideia de que os seus utilizadores são participantes ativos e produtores de conteúdos em vez de de simples consumidores passivos. Ao mesmo tempo os criadores conseguiram criar ferramentas que ajudassem as pessoas a serem criativos, a trabalhar colaborativamente e partilhar informações (Downes, 2006). Ao nível dos sistema de ensino, na última década, uma de muitas iniciativas foi a adoção pelas instituições de sistemas de software específicos para criar espaços (virtuais) de aprendizagem partilhado.

Os software para a gestão de aprendizagem também designados de plataformas de gestão de aprendizagem, Sistemas de Gestão de Aprendizagem (SGA) e na linguagem Anglo-saxónica, Learning Management System (LMS) surgiram no âmbito do ensino através do "e-learning" isto é, os modos de (fazer, agir, executar) de alunos e professores em Ambientes Virtuais de Aprendizagem presentes em muitas instituições do ensino superior (Attewel & col, 2009). A facilidade de disponibilização de conteúdos através de ferramentas de comunicação síncronas e assíncronas e de colaboração fazem destas plataformas, espaços apetecíveis para os agentes educativos (Costa, 2007;2008).

Conceito

Um ambiente de aprendizagem pelas características que nos apresenta não é nada mais nada menos do que o lugar onde a aprendizagem ocorre. Os sistemas de software que apoiam o ensino e aprendizagem são normalmente chamados Ambientes Virtuais de Aprendizagem (VLE-Virtual Learning Environments). Outro conceito bastante utilizado Learning Content Management System (LMCS) para distiguir-se de outros softwares que focam a gestão da aprendizagem e que são chamados (Learning Management Systems – LMS) Attwel & col, 2009). Estes também conhecido como plataforma do e-learning (Keegan, 2002) citado por Marques & Carvalho (2009). Hall (2001) defini-o como um software que automatiza a administração de eventos formativos. Sendo assim, os Ambientes Virtuais de Aprendizagem significam o mesmo que Sistemas de Gestão de Conteúdos de Aprendizagem mas diferem grandemente de Sistemas ou Ambientes de Gestão de Aprendizagem.

Sistemas de Gestão da Aprendizagem e Sistemas de Gestão dos Conteúdos da Aprendizagem

Um Sistema de Gestão de aprendizagem (SGA) é uma ferramenta de um software, especificamente, baseada na Internet, que ajuda a planificar e desenvolver projetos de aprendizagem e a monitorizar" os alunos, acompanhando o seu progresso e a sua performance ao longo de uma série de aprendizagens. Facilita a interação entre os professores e os alunos e também entre os alunos entre sí. Por outro lado, um Sistema de Gestão de Conteúdos da Aprendizagem (SGCA) centra-se sobretudo no desenvolvimento, gestão e publicação dos conteúdos que serão criados através do (SGA) (Atwell & col, 2009). Proporciona aos criadores e aos designers os meios para criar conteúdos de e-learning de forma eficaz. Percebemos nesse caso que esses sistemas são complementares na medida em que poder-se-á encontrar ferramentas necessárias para criar tanto conteúdo do e-learning como para gerir os processos de aprendizagem através da internet.

Caraterísticas principais

Um SGA ou um LMS típico poderá ter ferramentas Monitorizar ou encontrar utilizadores, grupos de utilizadores, aulas e professores definir um horário e um calendário para aulas e eventos enviar avisos á comunidade escolar e aos alunos e que estes podem os utilizar para enviar mensagens

UM SGCA um repositório centralizado - um local para guardar ou armazenar materiais de e-learning reutilizáveis a possibilidade de importar materiais de e-learnig externos uma forma de recuperar materiais ferramentas para criar autoria e editar conteúdos ferramentas para criar o material de avaliação do aluno ferramentas para monitorizar as alterações e mostrar o histórico dos acessos e das alterações efetuadas. apoio para a publicação e edição de conteudos para a iinternet ferramanetas para gerir o processo de criação de materiais de -e-learning uma interface dinâmica de utilizador um sistema de suporte de metadados/ taxonomias

Flexibilidade;

Escalabilidade;

Normatização.

Caraterísticas principais dos LMSs

Interatividade;

Flexibilidade;

Escalabilidade;

Normatização.

Caraterísticas principais dos LMSs

Interatividade;

Flexibilidade;

Escalabilidade;

Normatização.

Vantagens dos LMSs vs. Desvantagens dos LMSs

Vantagens dos LMSs

Ferramentas de interação Permite a colaboração entre usuários Aumenta e diversifica a oferta educativa Permite editar material didático (de ensino) Fornece ferramentas para o ensino em salas reais e virtuais

Desvantagens dos LMSs

Subutilização das potencialidades. a falta de uma equipa multidisciplinar no Processo e-learning. Falha de servidores ou queda da internet Vulnerabilidade / risco de intrusos na execução da plataforma Windows Incompatibilidade com alguns formatos "normas" A necessidade de utilização de ferramentas externas aos “LMSs”.

Vantagens vs. Desvantagem dos LMSs Open Source

Vantagens dos LMS Open Source

Pode ser fácil de obter, como muitos estão livres, especialmente aqueles que fornecem um nível básico de serviço;

Permite que os usuários examinem o código fonte e fazer alterações e melhorias;

Permite que os usuários obtenham todas as atualizações disponíveis, que são acessíveis a todos.

É construído por uma comunidade colaborativa aberta a novas idéias;

Muitas vezes é o resultado dos esforços de pessoas que são apaixonadas por software open-source;

Muitas vezes pode ser criada por um instrutor, sem envolver o apoio técnico da instituição;

Pode ser simples de usar e, consequentemente, é frequentemente selecionado por professores quando o sistema proprietário não consegue satisfazer as suas necessidades;

Evita restrições que a administração institucional pode impor;

Permite a colaboração com os outros, como o software é acessível e pode ser usado por qualquer pessoa.

Desvantagem dos LMSs Open Source

Embora o software de código aberto possa parecer ser livre, os fundos são necessários para hospedar, manter e atualizar o software, bem como cobertura de armazenamento adicional e suporte de banco de dados. O pessoal deve ser contratado para autorizar o acesso ao software, criar arquivos do curso, monitorar a eficiência do software, gerir as bases de dados, executar backups, e ajudar as pessoas a usar o software;

Muitas vezes, são necessários recursos para integrar o software LMS open-source com sistemas administrativos existentes. Se isso não for feito, ele pode ser difícil para a instituição acompanhar todas as atividades estudantis e marcas, transferir as marcas de sistemas de acreditação existentes, e lidar com as pessoas necessárias para apoiar a prestação de curso. Além disso, a equipe de TI pode precisar de dedicar tempo para implementar e estabelecer sistemas de administração, que já estão incorporadas em muitos LMSs proprietário;

O suporte técnico pode ser um problema significativo, como pessoal técnico institucional pode não estar familiarizado com a linguagem de programação em que o LMS open-source se basea. Nesse caso, o pessoal técnico vai precisar de treinamento extensivo sobre a linguagem de programação ou serviços profissionais externos devem ser contratados para prestar apoio. De qualquer maneira, existe um custo;

A dificuldade dos tutores monitorizarem os alunos, nomeadamente quando se trata da avaliação;

A necessidade de utilização de ferramentas externas aos LMSs sendo que para todos os efeitos é um sistema fechado e as dificuldades que isso pode acarretar;

Os custos quer da plataforma em si, quer dos recursos humanos necessários, etc.

Normatização

A criação de normas e especificações é uma necessidade fundamental em qualquer domínio. Desta feita destaca-se a normalização dos metadados e o SCORM (Sharable Content Object Model). O SCORM é o modelo de referência para o desenvolvimento e partilha de conteúdos de aprendizagem sob a forma de objetos de aprendizagem entre diferentes sistemas e tecnologias (LMSs, repositórios, ferramentas de edição, etc..). O modelo reúne linhas de orientação, especificações e normas agrupadas em livros, entre elas, o LOM. Este modelo teve origem em 1997 no Departamento de Defesa Norte-Americano e nasceu da colaboração entre ADL e várias outras organizações internacionais como a ARIADNE Foundation. O Modelo SCORM pretende garantir a acessibilidade, adaptabilidade, rentabilidade, durabilidade, interoperabilidade e reutilização dos conteúdos de aprendizagem (ADL 2006). A criação de conteúdos com o modelo SCORM pode ser feita manualmente através de Javascript e XML ou utilizando ferramentas específicas que podem ser agrupadas em ferramentas de autoria e empacotamento que permite criar o objeto de aprendizagem. Entre as mais populares estão o eXe, o eXe+, o KnowledgePresenter, o Lectora, o QuizCreator, o Sculptoris, o Toolbool e o Trident.

Discussão Critica

Principais diferenças entre os sistemas Moodles e Blackboard.

Em termos de acesso e distribuição:

A plataforma Moodle – baseia-se no sistema de open source de gestão. O acesso ao software é livre e pode ser adquirido em diversos sistemas operacionais de trabalho institucional ou a nível particular. Existe liberdade de qualquer utilizador para: adaptar, transformar , reutilizar, ou modificar parcialmente componentes originais.

Em sentido inverso, a plataforma Blackboard – revela um acesso mais restrito em termos de aquisição de software, dado que exige por parte das entidades educativas um compromisso contractual, determinado por critérios de tempo de aplicação e utilização do produto.

Conclusão

OS SGA são ferramentas extremamente complexas que automatizam e tornam possível actividades formativas. Incluem ferramentas de gestão de conteúdos e de avaliação e funcionalidades como a gestão de acessos, espaços para disponibilização de conteúdos. Atualmente existe a percepção de que a aplicação das tecnologias em plataformas digitais começa a traduzir-se em resultados visíveis, efectivos e globais. Existem evidencias de que os novos cenários de aprendizagem, os AVA e os PLES permitem aos alunos o controlo no processo de aprendizagem o que tempos atrás não era possível, os materiais impressos partilham lugar com matérias multimédia e a informação passou a estar disponível online em vez de offline. De simples utilizadores da informação os estudantes passaram a ser produtores e os ambientes online fora dos LMSs são cada vez mais atractivos constituindo-se como verdadeiras opções para a construção de comunidades de aprendizagem

Bibliogafia

ADL 2006 SCORM 2004 3rd Edition Sharable Content Object Reference Model. Overview. Version 1.0. Advanced Distributed Learning.

Attwell, Graham (2007a). Personal Learning Environments – the future of eLearning? In: Procedimentos da Conferência sobre eLearning Papers. (Eds) elearning Papers ISSN: 1887-1542 (pp. 1-7). Conferência Internacional sobre eLearning Papers; Barcelona, Espanha, Janeiro, 2007.

Alves, P., Miranda, L., Morais, C., & Alves, E. (2013). Estudo sobre a utilização das ferramentas do ambiente Sakai numa instituição de ensino superior.

Bidarra, J. (2012). Novos ambientes multimédia na aprendizagem a distância: instrumentos, experiências e reflexões., In TIC na Educação: perspetivas de Inovação (pp. 33 – 42). C. de C. U. do Minho: Braga.

Couros, A. (2010) Developing Personal Learning networks for Open &Social Learning. In www.aupress.ca/books/120177/ebook/06_Veletsianos_2010-. Acedido em 13 de Outubro de 2011 em http://www.aupress.ca/books/120177/ebook/06_Veletsianos_2010-.

Coverdale, Andy (2012). Academic Web 2.0. An Introduction to Social and Participatory Media. Comunicação apresentada no Common Wealth Scholars Conference; Engineering & Science Graduate Center, University Nothingan.UK.

Downes, Stephen (2010). Personal Learning Environments Networks and Knowledge. In www.connetc.downes.ca/index.html. Acedido em 12 de Maio de 2012 em http://connetc.downes.ca/index.html.

Downes, Sthepen (2012). The LMS and the Mooc. Apresentação em Slidshare. Montevideo, Uruguai.. Acedido em 28 de setembro de 2015Disponível: http://pt.slideshare.net/downs/the-Ins-and-the-mooc.

Hughes, Jenny., Stieglitz, Dirk (2006). Buy in Moode. Acedido em 25.09.2015. Disponível em: http://www.pontydysgu.org/2010/06/buying-in-moodle.

Lubensky, Ron (2006). The present and future of Personal Learning Environments (PLE). Elearning & Deliberate. In www.members.optusnet.com.au/rlubensky/2006/12/present-and-future-of-personal-learning.html. Acedido em 03 de Abril de 2010 em http://members.optusnet.com.au/rlubensky/2006/12/present-and-future-of-personal-learning.html.

Marques, C. G., & Carvalho, A. A. (2012). Contextualização e Evolução do E-learning: dos ambientes de apoio á aprendizagem às ferramentas da Web 2.0. O digital e o Currículo, (p. 987). Universidade do Minho.

Moreira, J. A. (2012). Novos Cenários e Modelos de aprendizagem construtivistas em plataformas digitais. De. facto. Editores (2ª Edição.) In Educação Online: pedagogia e aprendizagens em plataformas digitais. Formare - Guia Práticos (pp. 31 – 40).

Mota, José (2009). Da Web 2.0 ao e-Leraning 2.0: Aprender na Rede. Dissertação de Mestrado, Versão Online, Universidade Aberta. Acedido em 22.09.2015. Disponível: http://orfeu.org/weblearning20/

Santos, C., Pedro, L., Almeida, S. (2011). Sapo Campus: promoção da utilização de serviços da Web social em contexto educativo. In www.campus.sapo.pt/. Acedido em12 de Março de 2012 em http://eft.educom.pt.

Siemens, George (2004, 12 de Dezembro). Connectivism: A learning Theory for the Digital Age. Elearnspace [texto colocado no Blog www.elearnspace.org/] enviado para http://www.elearnspace.org/Articles/connectivism.htm informação consultada em 22.01.2011. Acedido em 02.11.2010.

Wheeler, Steve (2009, 21 de Dezembro). Anatomy of a PLE [texto colocado no Blog steve-wheeler.blogspot.pt/] enviado para http://steve-wheeler.blogspot.pt/2010/07/anatomy-of-ple.html#!/2010/07/anatomy-of-ple.html. Acedido em 11 de outubro de 2011.